A Primeira Guerra Mundial

Os conflitos denominados como a Primeira Guerra Mundial ou então a Primeira Grande Guerra aconteceram durante os anos de 1914 e 1918. É importante ressaltar que essa data é devido a declarações oficiais de guerra e acordos de paz e, portanto, essas foram as datas convenientes. Porém, a tensão anterior a 1914 e a configuração do mundo após 1918, também são levados em consideração para se entender o que foi esse momento da história. Também vale pontuar que não nos cabe fazer juízo de valor sobre quem foi o errado ou o certo, mas sim compreendermos a complexidade que envolve uma guerra mundial.

As motivações da guerra

Na segunda metade do século XIX, a Europa passou por um processo de desenvolvimento industrial que alterou as relações econômicas desse período. Os países que eram potência industrial perceberam que para poderem crescer precisavam buscar novos mercados consumidores e novas fontes de matéria-prima para alimentar as suas produções. A solução encontrada foi o que ficou conhecido na história como imperialismo, uma disputa por territórios fora da Europa entre as potências industriais, tais como Reino Unido, Alemanha, França e Rússia.

Mapa com a divisão das alianças em 1914

Durante essa disputa, os países europeus se organizavam em alianças de acordo com os seus interesses para otimizar as conquistas territoriais e demonstrar os seus poderes. A Itália, a Alemanha e o Império Austro-Húngaro formaram a Tríplice Aliança, enquanto a Inglaterra, a França e a Rússia formaram a Tríplice Entente. O sistema de alianças é uma estratégia política que ao mesmo tempo fortalece os integrantes como os tornam mais suscetíveis a ataques, pois a partir do momento que algum país de uma aliança entra em conflito com outro país da aliança inimiga os demais também se envolvem.

Nesse contexto, três casos particulares em que as tensões se agravaram resultaram no estopim da guerra. O primeiro envolve o Marrocos, que era um país protegido de qualquer exploração européia pela Convenção de Madri de 1880. No entanto, a França, interessada em proteger a sua colônia da Argélia e ao mesmo tempo contribuir com o interesse de sua aliada Inglaterra em cercar a Alemanha, fez acordo para enviar tropas para explorar a região. O kaiser Guilherme II foi a Marrocos e afirmou que a independência desse país seria defendida pelas tropas alemãs e assim o fez. Quando soube que a França enviara tropas para o Marrocos, o kaiser mandou embarcações para a costa africana. O conflito só foi contido quando a França cedeu parte de suas posses no Congo para a Alemanha e esta não questionaria mais o domínio francês sob o Marrocos.

O segundo embate se refere à região dos Bálcãs. O Império Austro-Húngaro e o Império Russo disputavam a hegemonia nessa região até que fizeram um acordo no qual a Áustria anexou a região da Bósnia-Herzegovina e a Rússia teria o apoio da Áustria para a saída ao Mediterrâneo, porém aquela encontrou resistência dos ingleses. A Sérvia descontente com a decisão ameaçou invadir a Bósnia para libertar os eslavos do domínio austro-húngaro por questões nacionalistas. Além disso, a crise do Império Otomano incitava a disputa territorial entre as potências pela região.

O terceiro acontecimento foi o assassinato do herdeiro do Império Austro-Húngaro, o arquiduque Francisco Ferdinando e de sua esposa enquanto visitavam Sarayevo (Bósnia) em 28 de junho de 1914. O Império Austro-Húngaro declarou guerra à Sérvia e a Rússia, aliada aos sérvios, mobilizou suas tropas. A Alemanha, pelo acordo da Tríplice Aliança, declarou guerra à Rússia e à França em agosto e a Inglaterra declarou guerra à Alemanha, quando esta invadiu a Bélgica.

A guerra

A guerra foi considerada mundial, pois envolveu além da Europa países da América, Ásia e Oceania como Japão, Austrália, Brasil e Estados Unidos.  Os conflitos tiveram três características inovadoras no que se refere à estratégia de guerra. Primeiro, a guerra não mais se dava necessariamente nos campos de batalhas, mas entre espaços civis. Segundo, os avanços da indústria bélica introduziram pela primeira vez os tanques de guerra, mesmo que ainda muito precários. E terceiro, as guerras de trincheirasque consistiam em uma abertura na terra para proteção dos soldados.

Soldados na trincheira

A guerra foi de modo geral equilibrada e por isso conseguiu se alastrar por quatro anos. Ora a Tríplice Aliança ganhava uma batalha, ora a Tríplice Entente. A Rússia por problemas econômicos e por estar enfrentando uma Revolução em 1917 se retira da guerra, assinando o tratado de Brest-Litovsk com grandes perdas territoriais. Os alemães começaram a ser cercados por terra e iniciaram os ataques pelo mar através dos seus submarinos ameaçando a passagem de navios comerciais de países neutros.

Os Estados Unidos, após ataques a sua embarcação declaram guerra à Alemanha. Além disso, os EUA tinham uma preocupação econômica quanto aos rumos que a guerra estava tomando. Os países europeus de ambos os lados estavam se deteriorando cada vez mais. Milhares de soldados e civis estavam sendo mortos e as indústrias nacionais foram obrigadas a reduzirem suas produções por falta de pessoas para trabalhar e por estarem sendo atacadas. Dessa forma, os europeus precisavam importar muitos produtos de consumo básico e bélico, mas para isso precisavam de financiamento, já que a maior parte de suas riquezas foi gasta com a guerra e os Estados Unidos foram os principais fiadores. Portanto, estavam preocupados em como receberiam o dinheiro de volta já que os países em guerra estavam em condições precárias.

Como foi dito o envolvimento civil nessa guerra foi direto e a Alemanha sofreu politicamente com manifestações e greves dos civis contra guerra e contra a situação de miséria que estavam passando. O imperador alemão então abdicou e a República foi instaurada. Sem condições materiais e sociais de prosseguir com a guerra, os novos governantes decidiram pelo fim da guerra e em novembro de 1918 assinaram o armistício.

O Tratado de Versalhes e o pós-guerra

Os diversos tratados assinados com o fim da guerra foram tentativas da França e da Inglaterra de arruinarem a Alemanha. O mais importante foi o Tratado de Versalhescom a participação somente dos vencedores e que estabelecia entre vários pontos, a Alemanha como principal culpada pelos conflitos; a devolução dos territórios da Alsácia-Lorena à França; que os alemães pagariam altas quantias a vários países como indenização de guerra; a França e a Inglaterra tomariam parte da marinha e do sistema ferroviário alemão; e o exército alemão seria reduzido e proibido de possuir armamentos estratégicos.

Local da assinatura do Tratado de Versalhes. França, 1919

Os tratados de paz agravaram os problemas de fronteiras contestadas e tratamento de minorias nacionais, e todas as nações perdedoras reivindicaram sua revisão. No caso da Alemanha, as conseqüências foram mais intensas. Antes de 1914, o país era considerado uma potência industrial que aspirava à liderança mundial e foi reduzido após o Tratado de Versalhes a uma nação de segunda grandeza. Além disso, houve o agravante da “humilhação” que incitou uma nova onda de nacionalismos.

Os Estados Unidos ganharam importância no plano mundial por serem os principais fiadores dos países em guerra que agora estavam com suas economias abaladas e saíram da guerra como a principal potência comercial e industrial. Além deles, o Japão também ganhou destaque como potência. As relações internacionais não estavam mais focadas na Europa e se estenderam para outros continentes.

Foram cerca de 10 milhões de mortos e 20 milhões de feridos, um número exorbitante e que impactou toda a Europa. Os gastos com a guerra também foram altíssimos. Calcula-se que a Inglaterra tenha gasto cerca de 35% de sua riqueza nacional, a Alemanha 24% e a França, Império Austro-Húngaro e Itália 20% cada. O desemprego, a inflação e a recessão somaram-se a uma imensa mobilização de conflitos sociais acentuados. Os anos entre as duas Guerras Mundiais foram marcados por graves dificuldades de estabilização econômica e pelo esforço da contenção das tendências revolucionárias. Nesse sentido, a crise socioeconômica, a pressão dos grupos financeiros e industriais pelos seus interesses, e a crescente organização operária conduziram ao descrédito das instituições liberais e à ascensão do autoritarismo, mas isso já é assunto para outro post. A guerra com o lema de aquela “para acabar com todas as guerras” foi só o princípio de um início de século repleto de tensões.

Dica:

VIZENTINI, Paulo F. A Primeira Guerra Mundial. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

About these ads
Esse post foi publicado em História Contemporânea. Bookmark o link permanente.

4 respostas para A Primeira Guerra Mundial

  1. lauriethe inoan disse:

    ótimo

  2. é um bom site, pena que está esquecido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s