Mesopotâmia

Paula de Almeida Franco
Antes de começarmos a falar sobre a Mesopotâmia, uma das civilizações da Antiguidade, é preciso entender o tal termo. Atualmente Antiguidade apresenta um significado abrangente, mas nem sempre foi assim.
No século XVII, o Iluminismo buscava as origens para as civilizações da Europa moderna. Os primeiros resquícios foram encontrados nas civilizações romanas e gregas. Nelas buscaram-se os fundamentos da filosofia, democracia, leis, noções de império, república, entre outros. Mais tarde, com o domínio europeu no Oriente, o Egito, a Palestina, a Mesopotâmia passaram a fazer parte dessas origens. Então, a Antiguidade designava um período que se iniciava no final do quarto milênio a.C. e continuaria até a queda do Império Romano.
Nas últimas décadas, essa visão tem sido contestada. Afinal, na China, Índia, América e outras regiões da África também havia civilizações que constituíram os nossos antepassados. O Brasil, por exemplo, com parte de nossa ascendência indígena e outra africana, não tem sua Antiguidade restringida ao Oriente Médio e ao Mediterrâneo. Posto isso, trataremos agora sobre o tema do post.
A Mesopotâmia (“entre rios”) geograficamente se localizava na faixa entre os rios Tigre e Eufrates, que hoje compreende à região do Iraque. Devido a sua localização, a vida dos povos que viveram ali era regrada principalmente pelo comportamento do rio.
Região da Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates.
As cheias e as vazantes eram tanto responsáveis pelo sustento quanto pela destruição dos povos. O rio foi também responsável pelo desenvolvimento técnico, já que foram construídos canais e diques para diminuir o impacto das cheias. Para a construção de tais obras era necessária uma grande quantidade de pessoas trabalhando por um bom tempo. Assim, podemos dizer que nesse período houve o surgimento das primeiras cidades da Antiguidade na Mesopotâmia.
Sumérios e acádios
Os sumérios são considerados a primeira civilização mesopotâmica. Segundo estudos, eles não se originaram no local, mas se fixaram no sul da Mesopotâmia em ondas migratórias e misturaram-se com a população local, sem grandes resistências.
Ao norte dos sumérios fixaram-se os acádios ou acadianos, de origem semita. Receberam esse nome por se organizarem a partir da cidade Akkad. Os dois povos entraram em conflito pelo domínio dos canais de irrigação e pelo aproveitamento dos recursos hídricos. Por volta de 2350 a.C, houve a unificação entre sumérios e acádios sob a liderança de Sargão Akkad e fundou-se o primeiro império.
O novo sistema político alterava o modelo dos sumérios que reconheciam a autonomia das cidades e do templo. Porém, mesmo com a centralização após a unificação, certas práticas culturais suméricas não desapareceram completamente.
Com a unificação, podemos falar em características culturais sumério-acadianas. A língua oficial passou a ser a semita e incorporou-se na religião dos sumérios os rituais de adivinhação e sacrifícios para agradar as divindades. Os mesopotâmicos acreditavam que os deuses interferiam nos acontecimentos mundanos. Ou seja, tempestades, secas, chuvas ocorriam por vontade divina. Dessa forma, os homens eram servos dos deuses, expressando suas incertezas na literatura e na tradição oral.
Primeiro Império da Babilônia
Entre os anos 2004 a.C. e 1595 a.C., uma nova cidade estava em ascensão na região da Mesopotâmia: a cidade da Babilônia. Seu império emprestou o nome a toda área sob sua influência, assim como seus modelos políticos, sociais e culturais.
O governo da Babilônia que mais exerceu influência na região foi o de Hamurábi. Este se preocupou em fortalecer as fronteiras e recuperar a economia e sociedade do reino. Assim, as cidades perderam um pouco a sua autonomia na medida em que respondiam ao governo central de Hamurábi.

Código de Hamurabi. Atualmente se encontra exposto no Museu do Louvre.
A principal realização política e social desse período foi a publicação do Código de Hamurábi, um registro de leis que ficava disponível em local público para a consulta dos cidadãos. O Código dizia que o poder era exercido por um rei e este tinha responsabilidades para com os seus súditos. O rei não era a personificação dos deuses, mas sim um servo destes. Além disso, o Código exprimia diferentes aspectos do cotidiano como divórcio, práticas medicinais, escravos, entre outros. Todo o Código seguia o princípio da Lei de Talião: olho por olho, dente por dente.
Assírios
Os assírios eram um povo que habitava o norte da Mesopotâmia, mas por volta dos séculos IX e VIII a.C. conquistaram as regiões da Babilônia, Armênia, Síria, Egito e Palestina, devido à forte militarização.
O objetivo principal de tantas conquistas era obter vantagens comerciais e benefícios econômicos com a imposição de tributos de guerra para financiar novas conquistas.
Durante o governo de Assurbanipal (669-626 a.C.) formou-se a famosa biblioteca da Babilônia. Devido a sua adoração pela cultura babilônica, Assurbanipal não mediu esforços para confiscar tabletes de templos e casas de eruditos.
A forma de domínio dos assírios não agradou aos povos conquistados e caldeus, medos, elamitas e babilônios organizaram um movimento de resistência que destruiu o poder assírio em 612 a.C. Os medos e babilônios dividiram o antigo império assírio e assim surgiu o Segundo Império da Babilônia.
Segundo Império da Babilônia
O Segundo Império da Babilônia foi responsável por diversas mudanças na política, na sociedade e na cultura. Ele herdou as estruturas de arrecadação de impostos dos assírios, aplicando-os na manutenção militar e nas obras públicas. Foram construídas muralhas para proteger a cidade e seus jardins e ergueu-se a torre de Babel descrita pelo historiador grego Heródoto.
Como a agricultura estava em baixa devido à salinização do solo, as cidades cresceram impulsionando o comércio e o artesanato. No campo, os pequenos proprietários praticamente desapareceram e a produção agrária passou a ser de responsabilidade dos templos, sendo administrada pelo governo.
Na ciência, houve desenvolvimento nos campos da medicina, astronomia e matemática que permitiu a criação de um calendário preciso para se conhecer as cheias do rio Eufrates e facilitar os períodos de semeadura e colheita.
A parir de 539 a.C., os persas invadiram e dominaram a região da Babilônia e em 330 a.C. iniciou a dominação grega.

Templo de cerca de 2100 a.C., localizado na cidade de Ur (atual Iraque)
As civilizações que habitaram a Mesopotâmia durante a Antiguidade nos deixaram dois grandes feitos: a escrita (como hábito de registro do conhecimento, através da escrita cuneiforme) e a urbanização. Não podemos, no entanto, encarar que esses legados chegaram até nós da mesma forma que surgiram. Eles sofreram modificações ao longo do tempo, incorporaram novos elementos, adquirindo novas feições e, portanto, perderam as especificidades mesopotâmicas. É por isso que os especialistas consideram as invasões persas o “fim” da Mesopotâmia.
Dica:
– Visite e explore o site do Museu Virtual do Iraque: http://www.virtualmuseumiraq.cnr.it

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK!

https://www.facebook.com/historiandonanet07

Esse post foi publicado em História Antiga. Bookmark o link permanente.

13 respostas para Mesopotâmia

  1. Leandro CHH disse:

    Boa tarde, amigos do Historiando na Net07.
    A Mesopotâmia é sem dúvida um ponto importante para o estudo das amplas dimensões de influência dessa região no mundo antigo, pois podemos passar do mito, arquitetura, guerras, relações comerciais e influência nas demais regiões de importância historica para aquele momento de grande expansão.
    Pela História Viva!
    Leandro CHH

  2. Leonardo disse:

    É sempre muito legal encontrar um espaço que divulgue uma História voltada para reflexão. Sempre por uma História crítica! Um forte abraço!!!

  3. Isabel Fornazieri disse:

    Continuem assim, está muito bom… acho que eu deveria ter feito história, gosto muito…
    e os textos de vcs estão muito bem feito,

    Bjs

    Bel

  4. Júnia Mattos disse:

    Estava procurando sobre qual a primeira civilização descrita e encontrei essa descrição, que muito me ajudou! Parabéns pela explicação.

  5. Er!k@ disse:

    obrigaaadoooo!!!!! vcs me ajudaram muito

  6. Parabenizo ao brilhante historiador pelo trabalho apresentado. Objetivo, bem redigido e muito cristalino; Cumprimento mais uma vez pela excelência da matéria
    João Lourenço da Silva Netto
    Advogado- Historiador – Escritor
    site:www.jlourenco.com
    e-mail jlourenco@terra.com.br

  7. pauloo disse:

    obrigado por me ajudar no trabalho da escola kkkkkkkkkkkkkkk :]

  8. Obrigado por me ajudar ao trabalho de escola🙂
    O texto é mto bom, realmente estão de Parabéns!!!

  9. eei sabe o que seria legal ? se vs colocassem tudo no site tipo desde o homem das cavernas até atualmente… eu sei que seria meio impossivel e mto dificil mas seria uma coisa mto legal eu leria o site todo *-* ou se nao poderem vs poderiam me passar tipo uma lista com a ordem das coisas ? tipo “ah estuda a idade de pedra dps a idade do metal e ai vai ? ” eu queria mto ler sobre tudo desde o começo mas nem sei sobre o que pesquisar vs podem me dar uma dica ou uma lista sla rs nao aprendi quase nada na minha escola queria mto aprender… obrigada *-*

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s